AlexKid Music: Um novo conceito

setembro 19, 2007

O INÍCIO

Em meados de 2003, os amigos Leonardo Ramos e Marcel Klackzo se juntaram e montaram uma banda chamada Elisa, o embrião do que viria a ser o AlexKid. No início o Elisa tinha influências bitoladas em bandas como Tool, Queens of the Stone Age, Deftones, Muse e Nine Inch Nails. 

Na época do Elisa, Léo e Marcel ensaiavam, na maioria das vezes, sem baixista e guitarra de apoio devido à dificuldade de encontrar integrantes fixos. Passaram pela banda nomes como: Hudson (ex-Audio), Bernardo John (Froid, Crivo, Rajar, Auria…), Xande (Antemic) e até Marcelo Índio (é, aquele cara que gravou os três primeiros CD´s do Dead Fish!). Até a formação se estabilizar mais uma dezena de desconhecidos passaram pela banda. 

O CONCEITO

Após algum tempo, Léo e Marcel decidiram definir o nome como AlexKid Music, pois nas palavras do próprio Léo “foi um game que marcou a vida dos amantes de videogame”. A formação se estabilizou com a entrada de dois novos integrantes: Amaury (que até então era quebra-galho oficial do Antemic) e Jackson Groove (baixista do Símios). Adicionaram diversas influências pop como John Mayer, e Deathcab for Cutie, Paramore, The Academy Is  e outras mais rock como Underoath, Minus the Bear, Fallout Boy, Panic! At the Disco e Circa Survive.

alexkidmusic-banda.jpg

Segundo Léo, o AlexKid Music surgiu com a proposta de “fazer um som diferente sem ter medo de soar pop”. Ao escutar as músicas a sensação que se tem é de realmente estar ouvindo um mix de diversas influências que originam uma identidade própria. Além disso as letras não usam os clichês do pop convencional. É só escutar a música Mal-dito, disponível no MySpace dos caras. 

O AGORA

A banda já está terminando as gravações de seu primeiro álbum, ainda sem nome, e com previsão de lançamento para dezembro deste ano. O disco conta com a produção de Sérgio Benevenuto, que tem em seu currículo bandas como Ócio, Símios e Rajar. O AlexKid gera grandes expectativas nos ouvintes do “novo rock”, e alguns críticos já vêem a banda como uma promessa no cenário capixaba e brasileiro.

 Por incrível que pareça, antes mesmo que gravar o primeiro registro, os caras já possuíam cerca de 60 composições próprias, e tiveram o difícil trabalho de escolher apenas 12 para compor o álbum de estréia. 

“As composições que restaram do primeiro álbum serão guardadas para registros futuros”, disse o vocalista Léo. Ainda há possibilidade de essas sobras serem disponibilizadas da internet com um lado-B.  A banda espera o lançamento do primeiro álbum pra cair de cabeça na rotina de shows por todo o estado e até fora dele.

 Enquanto o Cd não sai, escutem a música Mal-dito, disponível no MySpace da banda, e assistam à música “Dois na Estrada”, gravada ao vivo pelo VibeRock, numa apresentação na Wall Street.

Obs1: Dessa vez a imagem do vídeo está boa! =)

Obs2: No vídeo o João Paulo (Antemic) quebra um galho na batera.

Obs3: Comentem!!! =)


Aquecendo pro FDS com Sheetoos e Sporro Grosso

setembro 14, 2007

O Waffle SSS, que rolou no Kokeshi Bar em Jardim da Penha, apesar de não ter enchido foi um rock intenso. As duas bandas que tocaram, Sheetoos e Sporro Grosso, representaram e fizeram o rock valer.

O Sheetoos se apresentou com um integrante a menos, que não pôde comparecer,  e quebraram na formação de power trio. É só conferir o vídeo da música Lembranças (abaixo), que foi gravada ao vivo e depois editada com as imagens. Na seção de podcast, ouça também a versão ramônica que a banda fez de “I´m With You” da Avril Lavigne.

sheetoos.jpg

O Sporro Grosso deu um show à parte. Levando o mais legítimo toskore canela-verde, o trio mandou ver animando a galera que estava presente. Infelizmente o áudio da gravação do show deu problema, e por causa de UM MÍSERO CABO tudo foi por água abaixo, e não tem como colocar em podcast.  Mas eu realmente queria que a galera os escutasse ao vivo, energia pura!!!

É bom lembrar que este rock foi apenas um aquecimento pro quem vem aí no fim-de-semana. Hoje à noite (sexta-feira) vai rolar Red Princess e Nitidez, também no Kokeshi, começando às 21 e com entrada a R$ 2,00 (cartaz abaixo). Amanhã (sábado), no Bar Porto Pirata (de vix pra vv. segundo ponto apos segunda ponte) se apresentam, a partir das 17h, o próprio Sheetoos, João Kléber, Os Porquera Feia, Setor 27, e outras bandas, com entrada gratuita.

 posterredprincessnitidez14-09-copia.jpg

Queria aqui dar os parabéns e obrigado ao Tezora (Los Muertos Vivientes), que organizou o rock, e ao Ricardo, o proprietário do Kokeshi Bar (ótima casa de show), que abriu o espaço à cultura alternativa local.

Mas chega de rasgação de seda galera, e confiram o vídeo e o podcast tirados do show! 


 

by Guga Gouvêa

OBS1: Deculpem pelo vídeo ter ficado meio escuro (devido à iluminação do local), mas vale à pena ouvir a música ao vivo, que ficou bastante audível.

OBS2: Não consegui falar como bróder que tirou as fotos do show de ontem, mas assim que conseguir, postarei.

OBS3: Já que João e Braz estão reclamando, a partir de agora recebem os devidos créditos pelas fotos que estão no banner (que é provisório). Parabéns!


HOJE TEM ROCK NO KOKESHI

setembro 13, 2007

Ae galera, pra quem começa o fim de semana na quinta (e até pra quem não começa), hoje vai rolar um rock no kokeshi com as bandas Sporro Grosso, Sheetoos e Shadaloo! (cartaz abaixo)

rock-sheetoos.jpg

Como diz nosso bróder Lucas, o rockzeta vai ser porreta!!!

Pra quem não conhece, o Kokeshi fica na Rua da Lama em frente ao Bar Abertura. É só R$ 2,00!!! O VibeRock estará lá pra cobrir o rock através de fotos, vídeos e entrevistas. Quem comparecer virará celebridade! Esperamos todos lá!

PS: Amnhã sairá uma matéria com a nova banda AlexKid Music, não percam!


Rock tosco de propósito

junho 21, 2007

Gustavo Gouveia – [guga_gouveia@yahoo.com.br] 

Essa é a principal proposta da banda capixaba “Webt” em seu primeiro CD “Cantigas de Roda”.  Gravado, mixado e masterizado no estúdio BPM, em Copacabana, o registro foi produzido por Zé Felipe, nome pelo qual já passaram bandas consagradas do punk rock nacional, como Carbona, Staples e Ack.

O trio, formado por Rodrigo Arqlek nas guitarras e vocais, Manéu na bateria e um terceiro membro que atende pelo nome de “El Ocho Felino” no baixo, denomina o seu estilo de “toskore”, um punk hardcore que é tosco propositalmente.

O próprio nome do CD já sugere algo irreverente (Cantigas de Roda em uma banda de hardcore), e o registro é fiel ao esperado. São 14 faixas de punk rock tosco que atingem no máximo dois minutos cada uma. As influências são variadas girando não só em torno da música (como Mukeka di Rato, Ramones e Beach Boys), como da televisão (Chaves e Chapolin) e de brincadeiras de infância.

A gravação não é de qualidade ruim, mas o som é mal-tocado propositalmente, dando a impressão de que a gravação faz jus ao som.

Leia o resto deste post »


O profissional indispensável

junho 21, 2007

Gustavo Gouveia – [guga_gouveia@yahoo.com.br] 

É uma espécie de salva-vidas do músico. É aquele cara que passa quase despercebido, sempre pelos cantos, mas que para uma boa performance de palco é indispensável sua ajuda. É o último elemento da banda, sempre cobrindo a retaguarda do músico nas situações adversas em shows, e sempre realizando o trabalho mais árduo numa “gig”. Esse profissional é o roadie.

O roadie é uma profissão recente, que vem aos poucos tomando lugar na cena musical. Os músicos estão reconhecendo o trabalho deste profissional, e o mercado para a profissão está se expandindo cada vez mais. De trabalho autônomo, passou a ser realizado por empresas especializadas em sonorização, para o maior conforto do artista (apesar de alguns optarem pela autonomia).

Atualmente, o trabalho é tão reconhecido que o roadie não trabalha somente para bandas. Artistas solo que tocam em bares, ou que trabalham nas festas em geral, requerem o trabalho de um profissional que entenda da dinâmica de uma apresentação para auxiliá-lo.

Quem pensa que o trabalho do roadie é só o de carregar equipamentos e de ajudar nas adversidades em shows, engana-se. Viturino  Roadie, profissional autônomo na área, explica que  também é possível atuar na direção de palco do show, ou seja, na comunicação com os demais membros da equipe técnica, coordenando tudo o que diz respeito a som e iluminação de palco.

O trabalho do roadie está expandindo barreiras, a ponto que não só os estilos populares como reggae, rock e pop, mas também as apresentações de música erudita contratarem o profissional. Viturino relata que uma barreira a ser ultrapassada pelos roadies quando se fala em trabalho são as festas rave. Ele relata que o profissional faria grande diferença em se tratando de direção técnica e logística desses eventos.

Assita ao vídeo em que Viturino Roadie explica melhor a profissão:

 


A micareta do rock

junho 21, 2007

Gustavo Gouveia – [guga_gouveia@yahoo.com.br] 

Temos de reconhecer que é nobre a iniciativa dos organizadores do Rock da Tarde, no Festival de Alegre, em priorizar o rock como estilo dominante entre as atrações do Palco Livre. É um favor às bandas de rock, já que os shows no palco principal do festival priorizam outros estilos mais populares.

O Rock da Tarde remonta ao carnaval de rua das principais cidades de interior, onde a confusão sonora é constante. Carros de som, raves em festinhas particulares, bandas de pagode e forró e o rock do palco livre se misturam num grande bacanal sonoro.

Deste modo, o grande obstáculo para as bandas do estilo passa a ser o público, e não o palco. Assim como no carnaval, a moçada do rock da tarde vai em busca de curtição e principalmente azaração, procurando os lugares com maior concentração de pessoas do sexo oposto. Infelizmente, neste quesito o rock não pode competir com axé, pagode e forró, por isso sai prejudicado.

Como participante do Rock da Tarde, percebi que a grande maioria das pessoas que passam pelo palco livre, onde tocam as bandas de rock, ficam uma ou duas músicas, zoam um pouco, talvez dão um beijo na boca, e depois saem, o que me leva a concluir que a grande maioria do público está presente não pela música, mas pela “zoação”, assim como acontece numa micareta.

Assista ao vídeo de Volume 7 tocando “Avalanche” no Rock da Tarde:

Por isso o Festival de Alegre é o que é. Entre o público, encontram-se desde metaleiros até cowboys, tentando agradar a todos os gostos, mas todos possuem um motivo em comum: a curtição, independente do estilo musical.

É fato que, se a organização do Palco Livre estivesse interessada em maior fluxo de pessoas, se daria melhor se colocasse mais bandas de axé, pagode ou forró. Mas se a intenção é manter a miscigenação musical, nós roqueiros agradecemos, pois tocaremos, curtiremos e entraremos no clima! Afinal, quem não gosta de uma boa “bagunça”?


In English, please – “The Vintages”

junho 21, 2007

Alex Nakaóka – [alexdefabri@yahoo.com.br] 

Bateria checada. Câmera na mão. Destino: Vila Velha. É para a mais antiga cidade do Estado que parto para a terceira filmagem da nossa série de “Punk Rock”. É final de tarde de um domingo – 20 de maio. Com bastante coragem pego o Transcol 507, que nem de longe parece o ônibus lotado dos dias de semana e vou entrevistar mais uma banda, que se enquadra no estilo “Bubble Gum” (som que bate e gruda, segundo os próprios músicos).

Chego no terminal e me encontro com o vocalista e guitarrista da banda “The Vintages”, Marcelo Durão. Juntos, partimos pra outra viagem, até o estúdio alugado onde a banda realiza seus ensaios.

Ao chegar no estúdio, conheço o resto da banda. O guitarrista Pedro Henrique (“Peu”), o baterista Róbson Simões (“Tibil”) e o baixista Rodrigo Giuberti começam a preparar seus instrumentos, em meio a gozações com Durão, que demora alguns minutos pra afinar sua guitarra.

O começo do ensaio é rápido, afinal, sem estúdio próprio, tempo significa dinheiro.
A banda se empolga ao tocar canções como “From My Heart”, “Get Out”, “Stop Complaining” e “Hey Hey Girl”, todas em inglês, opção escolhida por fazer parte, segundo os próprios integrantes, do estilo da música, que busca relembrar coisas antigas e bandas como Ramones, que são a sua fonte maior de inspiração.

Após o ensaio e uma arrumação rápida dos instrumentos, a banda se prepara para a entrevista.

Alex Nakaóka: Como surgiu a banda?

The Vintages: A gente tinha uma banda de hardcore e ensaiava na casa de um amigo nosso. Depois dos ensaios a gente ficava tocando Ramones. E o nosso estilo é parecido com os Ramones. Daí, no final de 1999, surgiu a banda. Leia o resto deste post »